O Que é AVCB
Decreto 46.076/01
Intruções Técnicas
Concurso Público
Telefones Úteis
Informações Úteis
Legislação
Previsão do Tempo
Crônicas

CORDAS, VOLTAS E NÓS


Principais termos utilizados no manuseio com Cordas.

  • Aduchar – trata-se do acondicionamento de uma corda, visando seu pronto emprego.
  • Corda – conjunto de cordões produzidos com fibras naturais ou sintéticas, torcidos ou trançados entre si.
  • Corda Guia – Corda utilizada para direcionar os içamentos ou descidas de pessoas, objetos ou equipamentos.
  • Carga de Ruptura – exprime a tensão mínima necessária para romper uma Corda.
  • Carga de Segurança de Trabalho – corresponde a 20% da carga de ruptura. É o esforço a que uma corda poderá ser submetida, considerando-se o coeficiente de segurança 5. Carga máxima a que se deve submeter uma corda.
  • Corda de Sustentação – Corda principal onde se realiza um trabalho.
  • Coçado – Corda ferida, puída em conseqüência de atrito.
  • Laçada – forma pela qual se prende temporariamente uma corda, podendo ser desfeita facilmente.
  • – entrelaçamento das partes de uma ou mais cordas, formando uma massa uniforme.
  • Peso – relação entre quantidade de quilos (Kg) por metro (m) de uma corda.
  • Tesar – esticar uma corda, ato de aplicar tensão a corda

Principais partes de uma corda.

  • Alça – é uma volta ou curva em forma de “U” realizada em uma corda.
  • Corda – conjunto de cordões produzidos com fibras naturais ou sintéticas, torcidos ou trançados entre si.
  • Chicote – extremos livres de uma corda, nos quais normalmente se realiza uma falcaça.
  • Falcaça – arremate realizado no extremo de uma corda, para que a mesma não desacoche. É a união dos cordões dos chicotes da corda por meio de um fio, a fim de evitar o seu destorcimento. Nas cordas de fibra sintética pode ser feita queimando-se as extremidades dos chicotes.
  • Seio ou Anel – volta em que as partes de uma mesma corda se cruzam.
  • Vivo ou Firme – é a parte localizada entre o chicote e a extremidade fixa da corda.

Constituição das Cordas

Cordas de Fibra de Origem Natural
As fibras de origem natural mais utilizadas no fabrico de cordas são: manilha, sisal, juta, algodão e cânhamo. Geralmente as cordas de fibra natural levam o nome da planta da qual a fibra foi obtida. Com o objetivo de aumentar a durabilidade da corda, são impregnadas com óleo durante sua manufatura, o que lhes confere um aumento de 10% no peso
Cordas de Fibra de Origem Sintética
As fibras sintéticas mais utilizadas na confecção de Cordas são: poliéster, poliamida, polietileno e o polipropileno, polímeros derivados de petróleo. as cordas de fibra sintética, quando comparadas as cordas de fibra natural de mesmo diâmetro, apresentam maior resistência, maior elasticidade e duram mais

Tipos de Cordas

Torcidos
as cordas torcidas, normalmente não apresentam elasticidade, sendo, portanto consideradas estáticas
Trançados
as cordas trançadas, por apresentarem coeficiente variável de elasticidade, são, na maioria das vezes dinâmicas

NÓS E VOLTAS

Meia Volta
Sua principal função é servir como base ou parte de outros nós. Pode aparecer espontaneamente, se a corda for mal acondicionado, neste caso, convém desfazê-la de imediato, pois, depois de apertada, é difícil de ser desfeita


Nó Direito
Método empregado para unir duas cordas de mesmo diâmetro pelo chicote. Desfaz-se por si mesmo se as cordas apresentarem diâmetros diferentes, para sua realização, entrelaçam-se os chicotes das cordas a serem emendados e, ato continuo, entrelaçam-se os chicotes novamente, de forma que os mesmos saiam em sentidos opostos, perfazendo um nó perfeitamente simétrico


Escota Singelo
É utilizado para unir duas cordas de diâmetros diferentes pelos chicotes, faz-se uma alça com a corda de maior diâmetro, em seguida, com a corda de menor diâmetro, envolve-se a alça formada anteriormente, travando-se por baixo dele mesmo



Escota Singelo Duplo
O que difere do anterior, é que se envolve a alça com duas passadas, o que dá maior nível de segurança



Volta do Fiel
São dois cotes dados um contra o outro, de modo que o chicote e o vivo saiam por entre eles, em sentido contrário. Trata-se de um nó de fixação ou ancoragem, de fácil confecção e alta confiabilidade. De acordo com a situação específica, pode-se ter a necessidade de realiza-lo pelo seio ou pelo chicote


Volta do Fiel pelo Chicote


Lais de Guia
Nó utilizado para formar uma alça fixa e que, portanto, não corre como um laço. Após predeterminar o tamanho da alça, faz-se um seio na corda, entra-se com o chicote por dentro do seio formado anteriormente em situação contrária à passagem do chicote pelo seio (se o seio tiver o chicote por cima, entra-se por baixo; se o seio formado tiver o chicote saindo por baixo, entra-se por cima). Feito isso, dá-se uma volta por trás do vivo da corda, entrando-se novamente no seio formado e ajustando-se o nó

Cuidados com as Cordas

Para prolongar a vida útil de uma corda, e emprega-la em condições de segurança, deve-se seguir algumas regras básicas:

  • Não friccionar a corda contra arestas vivas e superfícies abrasivas.
  • Não submeter a corda a tensão desnecessária.
  • Evitar o contato da corda com areia, terra, graxa e óleos.
  • Evitar arrastar a corda sobre superfícies ásperas.
  • Não ultrapassar a Carga de Segurança de Trabalho durante o tensionamento da corda.
  • Lavar a corda após o uso, em caso de necessidade.
  • Não guardar cordas úmidas. Caso necessário, seca-las na sombra, em local arejado.

BOMBEIROS.COM.BR - Comércio e Serviços Técnicos Ltda.
Pabx: +55 11 2203-2220
Av. Santa Inês, 801 - Cj. 84 - CEP 02415-001 - São Paulo - SP - BRASIL
E-mail: bombeiros@bombeiros.com.br